Lucio Carvalho | Avessos

Na série “Avessos”, Lúcio Carvalho ressignifica sua infância na fazenda “Não Pensei”. Ali o artista reparava e desenhava tudo o que via ao seu redor. Os animais com quem brincava de dia, eram os mesmos servidos no jantar pela noite. Tudo, no entanto, em um clima de diversão e amor dentro de uma família enorme. Na fazenda viviam seus avós, pais, irmãos e primos.
“Avessos” expõe as ambíguas vivências de Lúcio, cercado de afeição e, ao mesmo tempo, tomado pelo deslocamento. Enquanto seus primos brincavam no campo e andavam a cavalo, o artista escondia-se embaixo da mesa ou em outros locais, analisando o dia-a-dia na “Não Pensei”: “a mesma árvore onde brincávamos balançando em pneus, eram pendurados os alimentos... porém, refletindo sobre isso, eu percebi que meu trabalho é muito mais sobre os sentimentos nos quais se envolvem as minhas lembranças, do que simplesmente objetos pendurados. O ‘Avesso’ é minha vontade de ver o contrário do que tudo aquilo representa como figura”, revela o artista.
A nostalgia está sempre muito presente nos trabalhos de Lúcio Carvalho. Nessa série, todas as obras são acúmulos de recordações. Histórias contadas em uma única escultura, pintura ou fotografia. As cristaleiras de sua avó, usadas para guardar objetos e presentes importantes, misturam-se com pneus e brinquedos de infância. As brumas de reminiscências que permeiam toda a série, comunicam-se secretamente com as inquietudes do artista transformando saudade em arte.
A exposição conta a história de lembranças reconstruídas e memórias recriadas pela imaginação e pelos sentimentos.